#106 O que acontece com um anunciante que interrompe suas propagandas?

Em qual situação que um anunciante não sofre com queda de vendas mesmo sem propagandas?

#TBT de hoje é a edição #47 sobre o boicote dos anunciantes no Facebook como forma de protesto.

Artigo indicado por Leonardo Zaneti

Uma pesquisa feita em 2018 pela University of South Australia respondeu uma dúvida que muitos profissionais provavelmente já tiveram: o que acontece com um anunciante se ele não fizer mais propagandas?

No artigo da pesquisa, os autores apontam que, no passado, estudos como esse mostravam que havia um certo intervalo de tempo seguro que o anunciante podia ficar sem propaganda e que não afetava tanto as vendas, mas ressaltaram que esses estudos rodaram em uma época que a TV era a mídia dominante. Atualmente, com tantos canais que podem impactar o consumidor, o cenário muda bastante.

O gráfico abaixo mostra o ponto de interrupção nos anúncios e cada ponto é um anunciante analisado. A linha amarela é a média dos resultados.

Repare que há uma queda de 50% em quatro anos e depois a queda fica mais suave até os 10 anos. A pesquisa aponta dois fatores que influenciam nos resultados: tamanho do anunciante e tendência de vendas.

Conforme esperado, o tamanho do anunciante ajuda a diminuir o efeito da queda durante os anos. Aqui eu associo muito com a força da marca (branding), ou seja, anunciantes maiores costumam possuir marcas mais fortes e memoráveis.

A tendência de vendas nos anos anteriores também influencia no ritmo da queda. Anunciantes que estavam com queda nas vendas, mesmo com veiculação de propagandas em anos anteriores, apresentaram quedas mais acentuadas do que anunciantes que estavam com tendência de alta, exceto quando o anunciante era pequeno. Anunciantes médios e grandes com alta de vendas apresentaram queda apenas a partir do segundo ano sem propagandas.

No artigo da pesquisa, temos mais detalhes e conclusões sobre os possíveis motivos e causas para os resultados, mas listei os mais importantes:

  • Em média, cai 16% o volume de vendas em um ano sem propagandas e 25% em dois anos;

  • O tamanho do anunciante importa, pois segura a queda e também mantém a tendência de crescimento de vendas por dois anos;

  • Pequenos anunciantes são os que mais precisam de propagandas, pois a queda é muito mais acentuada em qualquer dos casos.

Resumindo: não dá para contar apenas com o boca-a-boca de um bom produto. É necessário continuar bombardeando o consumidor com propagandas para reforçar a marca em sua mente e garantir as vendas, principalmente se você é um pequeno anunciante.


NOVIDADE DA SEMANA

Twitter testa o recurso Super Follow em aparelhos iOS

Restrito a alguns criadores de conteúdo dos EUA e Canadá e apenas para iOS, o recurso permite que o usuário disponibilize tweets apenas para quem pagar uma assinatura. O recurso só estará disponível para usuários com mais de dez mil seguidores e que tenham twittado pelo menos 25 vezes nos últimos 30 dias.

Os valores de assinatura podem ser $ 2,99, $ 4,99 ou $ 9,99 e, do lado do assinante, fica um botão personalizado para quem adquirir o recurso, conforme visto nesse vídeo de demonstração.

Depois da criação do Spaces, o Twitter vem investindo em formas de diversificar o conteúdo na plataforma e monetizar os criadores.

Vi no B9.