#56 Influenciadores devem ser responsabilizados por fraudes dos anunciantes?

Até onde vai a responsabilidade do influenciador com o que publica em seu perfil?

Se você ainda não está cadastrado em minha newsletter, deixe seu e-mail abaixo.

Recebi a notícia acima e isso reviveu a questão se os influenciadores são responsáveis pelo que anunciam. No caso em questão, o anunciante deu um golpe em uma usuária que viu o publipost da influenciadora e realizou a compra.

Nessa linha, o caso mais marcante foi o evento Fyre Festival em 2017, que foi divulgado amplamente por influenciadores digitais e acabou sendo uma fraude milionária. Transformou-se em um documentário na Netflix, que se focou mais no decorrer e consequências do evento.

A culpa caiu para cima dos influenciadores que impulsionaram o evento. A maioria apagou as postagens e alguns se desculparam, mas houve uma discussão de como eles seriam responsabilizados, pois houve danos financeiros para muita gente, principalmente para os moradores pobres da ilha em Bahamas.

E abriu-se o debate sobre a relação entre influenciador, anunciante e postagens comerciais. Uma característica notada nos influenciadores usados no Fyre Festival foi a ausência de sinalização de que era uma propaganda, ou seja, os influenciadores transmitiam que a mensagem era “espontânea” e isso ajudou a construir o hype em cima do evento.

Matéria da Wired na época do evento: culpe o fiasco do Fyre Festival à praga dos influenciadores-celebridades

As opiniões são divididas. Por um lado, alguns acreditam que a relação é semelhante ao de um garoto propaganda: o ator/atriz não tem culpa da marca que está divulgando, apenas tem danos na imagem associada.

Por outro lado, outros (incluindo eu) não acreditam que influenciador é um mero instrumento de comunicação. Enquanto que numa propaganda a marca busca se conectar com seu público e utiliza um influenciador/figura pública como recurso de comunicação, num publipost é o influenciador que se conecta com seu público e a marca que entra nessa conexão.

O público confia no ser humano que está por trás da câmera e, quando o influenciador divulga uma marca, ele está botando em xeque essa confiança. Então acho que sim, deve-se responsabilizar, obviamente não por completo, mas que haja uma reparação, financeira ou moral.

É uma discussão complexa, de fato.


NOVIDADE DA SEMANA

Facebook News está chegando no Brasil

Disponível oficialmente nos Estados Unidos desde junho deste ano, o Facebook News funciona com uma curadoria humana formada por um time de jornalistas que moderam o conteúdo que será disponibilizado aos usuários. De acordo com o blog oficial, o recurso chega dentro de seis meses aqui no Brasil e inicialmente irá remunerar os publishers para que suas notícias apareçam na seção.

A principal ferramenta é o “Today’s Stories”, que aproveita o formato de carrossel para repassar as informações mais importantes do dia ao público e o Facebook afirma que é livre de intervenção editorial.

Vi no Brainstorm 9