#54 Média de engajamento no Instagram durante a pandemia de 2020

Como as marcas e influenciadores estão engajando seus seguidores nesse ano de pandemia

Ainda não está inscrito na minha newsletter? Deixa seu e-mail abaixo.

A Rival IQ lança pesquisas anuais com alguns dados sobre engajamento e postagens de 14 indústrias no Facebook, Instagram e Twitter. A edição atualizada mostrou como as taxas de engajamento das marcas até o início de Março, quando começou a quarentena nos diversos países do mundo. Para a taxa de engajamento de qualquer perfil público, entre aqui.

A cada ano as taxas de engajamento caem em todas indústrias, pois em 2019 a média era de 1,70%. Será que estamos vendo um desgaste dos usuários? Ou será que migramos para se engajar mais em Stories ou outras redes tipo TikTok? São perguntas que exigem uma pesquisa mais aprofundada.

Cruzando com o volume de postagens, reparamos que mesmo postando com mais frequência, perfis de times de esportes conseguem manter os seguidores engajados.

Durante a pandemia, a Rival IQ está soltando atualizações das taxas de engajamento das indústrias e temos visto uma queda geral tanto no volume de postagens quanto na taxa de engajamento.

Interessante considerar que o consumo de redes sociais aumentou durante a pandemia, mas isso não refletiu especificamente em mais engajamento, pelo menos nas indústrias analisadas pela Rival IQ. Ainda estou incerto nos impactos pós-pandemia dentro das redes sociais, mas vejo que muita coisa está saturando e abrindo espaço para outros formatos. Games, por exemplo, explodiram de downloads e consumo, assim como streamings (vídeo ou podcast). Provavelmente teremos pesquisas comparando os diferentes canais e veremos aonde está migrando o consumo e engajamento.


NOVIDADE DA SEMANA

YouTube é considerada a plataforma social mais responsável

Em relatório da IPG Mediabrands intitulado Media Responsability Audit, foram avaliadas as principais redes sociais em 10 critérios (promoção do respeito, protegendo pessoas, diversidade, coleta e uso de dados, bem-estar infantil, se bloqueiam o discurso de ódio, desinformação, como eles aplicam sua política efetivamente, transparência publicitária e responsabilidade) por meio de uma pesquisa com 250 perguntas sobre esses pontos para cada rede social.

YouTube aparece em primeiro lugar como a plataforma social mais responsável devido às mudanças provocadas nos últimos três anos, principalmente desde que alguns anunciantes retiraram campanhas da plataforma depois de descobrirem que seus anúncios estavam sendo veiculados ao lado de conteúdos extremistas.

O Twitter aparece em segundo lugar, com o LinkedIn em terceiro, o Snapchat em quarto e o Facebook em quinto. Pinterest, Twitch, Reddit e TikTok foram listados como “abaixo da média”.

Combate a fake news é o principal desafio encontrado em todas plataformas, seguida de controle dos anúncios em conteúdos extremistas.

Vi no B9.

Gostou da edição? Compartilhe nas redes sociais.

Share